Burnin’ é uma história

Por Bira Iglecio, Gustavo Almeida e Julia Barreto

download

Nesse ano, um símbolo da luta pelas minorias, da cultura rastafári, da militância contra a opressão, faz 40 anos. Burnin’ é mais que um disco. Burnin’ é uma história. O último álbum contando com os mestres do Reggae, Peter Tosh, Bunny Wailer e o próprio Bob Marley, antes de seguirem carreira solo. A importância do álbum não para por aí. Em 2007 o álbum entrou para Biblioteca do Congresso Nacional Estadunidense, ficando marcado na memória cultural e histórica. Tudo o que Bob escreve nesse maravilhoso álbum, toca sua alma por meio de um vinil original de dois lados.

A luta começa com “Get Up, Stand Up”, com o memorável verso “Stand up for your rights!”, que nada mais é que um incentivo para a luta contra os opressores. Sempre acompanhado da bandeira verde, amarela e vermelha, respectivamente, o disco talvez seja uma das maiores demonstrações dessa luta rastafári, que além do lado religioso, possui uma grande importância política, lutando contra os colonizadores.

TheWailersBurnin'

Capa do álbum

“I shot the sheriff”, regravada mais tarde por Eric Clapton, retrata essa constante luta contra os opressores. A música conta a história sobre um rastafári que, em auto-defesa, atirou no xerife de sua cidade para permanecer vivo, porém, não atirou no deputado, logo, defende o que ele acredita sem passar por cima do que o deputado quer, afinal, um dos princípios da cultura rastafari diz “Amamos e respeitamos a irmandade da humanidade”. Assim, ele demonstra estar seguindo a filosofia de Marcus Gavey, um dos maiores ativistas do movimento negro, que afirmava que os negros precisavam voltar para África, onde obteriam a redenção, mas sem passar por cima das pessoas.

Apesar das duas músicas citadas acima serem símbolos dessa luta, a canção com a letra mais forte e tocante é “Burnin’ and lootin”. Com frases como “How many rivers do we have to cross, before we can talk to the boss?”, as minorias são representadas e sentidas por Bob Marley e os Wailers, que procuram mostrar para o mundo as desigualdades que nosso sistema produz e cultiva. Além disso, a luta contra o preconceito com as drogas, principalmente a maconha, que na cultura rastafári, é usada com fins religiosos, é bastante presente, afinal, nossa sociedade descrimina tudo que não segue seus princípios, assim, Bob Marley canta: “Let the Roots Man take a blow.” (Deixe os rastas darem um trago).

O disco inteiro reproduz uma mesma batalha, músicas como “Small Axe”, “One foundation” e “Rastaman Chant” nos trazem para dentro dos princípios rastafáris. Remasterizado em 2001, o disco ainda contém clássicos como “The opressed song” e “Hallelujah Time”. Então ligue suas caixas de som e conheça um pouco mais dessa rica cultura que tem muito a nos oferecer.

THE WAILER – BURNIN’ (1973)

1.Get Up, Stand Up
2. Hallelujah Time
3. I Shot The Sheriff
4. Burnin’ And Lootin’
5. Put It On
6. Small Axe
7. Pass It On
8. Duppy Conqueror
9. One Foundation
10. Rastaman Chant
11. Reincarnated Souls
12. No Sympathy
13. The Oppressed Song

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s